Felipe Machado, de 27 anos, chegou a pesar 165 kg e tinha vários problemas de saúde. Com os vídeos no Youtube, ele quer ajudar outras pessoas a terem uma rotina saudável.

Andar pelo estacionamento, subir a escada no trabalho e até fazer caminhadas durante uma viagem de férias eram tarefas difíceis e cansativas para o estudante e analista de sistemas Felipe Machado, de 27 anos. O jovem chegou a pesar 165 quilos e decidiu mudar a rotina após ter vários problemas de saúde como pressão alta e insônia.

Para registrar a jornada, Machado criou um canal no Youtube em que mostra a rotina diária de emagrecimento. De 2014 até abril deste ano ele eliminou 80 quilos e atualmente está com 80 quilos. Sem cirurgia, o acreano investiu na dieta low carb – dieta com redução de carboidratos – e começou a fazer caminhadas e aulas de boxe.

“Meu coração estava começando a ficar crescido devido ao excesso de peso. Eu tinha problemas respiratórios, não dormia devido à pressão na garganta, acordava várias vezes durante a noite. Como gostava de edição de vídeos, decidi criar o canal, as pessoas começaram a seguir e o que começou como uma brincadeira acabou dando certo”, lembra.

Machado conta que ouvia piadas sobre o peso dele, mas sempre levou na brincadeira. Porém, durante uma viagem ao Nordeste, ele percebeu, por meio das fotos, que o sobrepeso estava crítico e decidiu que era a hora de mudar. Além disso, ele conta que gosta de viajar, mas não queria sair do hotel para conhecer os lugares pois cansava rapidamente com uma simples caminhada.

Jovem, que chegou a pesar 165 kg, conta que tinha vários problemas de saúde e preguiça até de subir em calçada (Foto: Felipe Machado/Arquivo pessoal)

Jovem, que chegou a pesar 165 kg, conta que tinha vários problemas de saúde e preguiça até de subir em calçada (Foto: Felipe Machado/Arquivo pessoal)

“Querendo ou não, a questão estética influenciou. Viajando para o Nordeste e tirando fotos percebi que a situação estava complicada e eu não me via daquela maneira. A gente se acostuma com o espelho de casa, mas quando a gente se vê em outro lugar percebe essa diferença”, explica.

Ainda no Youtube, Machado continua falando sobre o processo de emagrecimento e deve agora mostrar como lidar com as sobras de pele após o emagrecimento. Com os vídeos, ele que ajudar outras pessoas a terem uma rotina saudável.

“As pessoas começaram a ver que realmente estava funcionado, aos poucos fui ajudando. Mesmo que seja apenas uma ou duas pessoas, se eu ajudar alguém isso é o que importa. Pretendo fazer a cirurgia de retirada de pele e provavelmente vou fazer vídeos falando sobre flacidez. Quero continuar com o canal”, afirma.

Estudante conta que tinha preguiça até de subir em calçada e evitava escada no trabalho  (Foto: Felipe Machado/Arquivo pessoal)

Estudante conta que tinha preguiça até de subir em calçada e evitava escada no trabalho (Foto: Felipe Machado/Arquivo pessoal)

Rotina saudável

A mudança começou pela alimentação. Após ir em um nutricionista ele decidiu pesquisar algumas dietas até chegar na low carb. Além disso, seguiu perfis que davam dicas de receitas fitness. Todo o processo era relatado no Youtube e cada quilo eliminado era uma vitória.

De 2014 a 2016, somente com a alimentação, ele perdeu uns 15 quilos. Porém, começou a fazer boxe e a perda de peso foi ainda mais rápida.

“Quando perdi 60 kg fui na cardiologista e ela suspendeu o remédio para pressão, hoje não tomo mais. Consegui dormir, parei de roncar igual a um dinossauro. Minha qualidade de vida melhorou e a minha disposição também. O boxe foi o esporte que realmente me ajudou”, afirma.

Aos poucos, o estudante cortou o arroz, pão, feijão e outros carboidratos. Porém, afirma que agora que atingiu a meta de quilos eliminados se permite comer ao sair com os amigos. Porém, afirma que é preciso equilíbrio.

“Acho que você só pode ter o dia do lixo quando atinge seu objetivo. No final de semana as vezes eu como sanduíche ou pizza, mas nada exagerado. Também é bom lembrar que nos outros dias é preciso reduzir a alimentação e fazer mais exercícios. É preciso balancear a alimentação”, destaca.

O estudante relata que tinha preguiça até mesmo de subir uma calçada. No trabalho, ele subia a escada e descia apenas quando ia embora para casa, pois ficava muito cansado.

“Querendo ou não era um cansaço a mais e meu corpo pedia para eu ficar quieto no meu canto. Aquela escada [no trabalho] me matava todo dia. Se eu descesse e tivesse que subir de novo preferia não subir. Em casa também tem uma escada. Hoje subo correndo e tranquilo, não fico morrendo quando chego lá em cima”, finaliza.