Para tentar cobrir o déficit no número de agentes penitenciários no sistema prisional do Estado, o governo Sebastião Viana (PT) fez uma manobra simples para resolvê-lo: transferiu ao menos 20 agentes socioeducativos, responsáveis pelos menores infratores, para os quadros do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen).

Desde o começo do ano, agentes vêm denunciando a situação precária nos presídios acreanos, em especial na falta de servidores. Em alguns casos, conforme relatos, um agente fica responsável por cuidar de quase 200 presos.

Uma das reivindicações da categoria é a realização de concurso público para agentes. Impedido pelo calendário eleitoral de iniciar processo seletivo, o governo achou por melhor, neste momento, fazer este remanejamento dos agentes socioeducativos.

Também foram aproveitados assistentes sociais, psicóloga e técnico administrativo. Em sua justificativa, o governo diz que as funções e responsabilidades de agentes socioeducativos e penitenciários são semelhantes, bem como a faixa salarial.