A decisão do Superior Tribunal Federal (STF) que negou o Habeas Corpus ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva repercutiu em vários setores, principalmente aqueles ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT). Após o voto da ministra Rosa Weber, contrário ao HC o dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Alexandre Conceição, protestou durante um ato em desagravo ao ex-presidente, realizado nesta quarta-feira (4), em Brasília.

Durante seu protesto, Alexandre Conceição disse que o MST irá “Ocupar todos os prédios públicos, todas as terras e sobretudo a Rede Globo: Ocupar e tocar fogo neste jornal e nesta emissora responsabilizada por permitir que nosso povo seja humilhado”.

Durante o ato pro-Lula, o militante, de posse de um microfone, avisou que a ministra Rosa Weber tinha esmagado as chances de vitória do ex-presidente na corte, já que dificilmente Cármen Lúcia votaria em prol de Lula.

“Não haverá terra que não será ocupada, não haverá arrego. Não haverá nenhum prédio público que não será ocupado”, afirmou o militante do MST em tom exaltado, para uma plateia entristecida onde muitos choravam.

“Não tem mais valsa. É porrada, é guerra, é luta e venceremos”, acrescentou Conceição, defendendo ainda que haja uma mobilização de entidades ligadas ao Partido dos Trabalhadores para a promoção de um “abril vermelho”, uma clara alusão a ações simultâneas de invasões de terras e outros protestos.

Alexandre Conceição é um velho conhecido e amigo de políticos acreanos, como o deputado federal Sibá Machado, que no final de 2016 convidou uma caravana do MST para conhecer os modelos de economia sustentável implementados pelo governo acreano. Durante a visita, que durou três dias, os militantes do MST conheceram o frigorifico Dom Porquito e Acreaves, o recém-falido Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia e o Projeto da Bonal onde se cultiva açaí e palmito.