O general Augusto Heleno, da reserva do Exército, falou, nesta quarta-feira (4), sobre a publicação do comandante do Exército Brasileiro, Eduardo Villas Bôas, na véspera do julgamento do habeas corpusdo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

À Rádio Bandeirantes, Augusto disse que não achou perigosa a declaração de Villas Bôas, na qual ele questiona comportamento das instituições. O general classificou o texto como “uma manifestação tranquila e serena”.

Para o general, a polêmica se deu por conta do “preconceito e ranço contra os militares”. “O que o comandante do Exército colocou está tudo na Constituição. Ele não inventou nada, não ameaçou nada, não prometeu nada”, declarou durante a entrevista ao jornalista Agostinho Teixeira, no programa 90 Minutos.

Augusto Heleno afirmou ainda que as pessoas “querem encontrar, nas palavras dele (comandante), uma bobagem ou ameaça de golpe”.

“Tirem isso da cabeça. Isso não está na cabeça dos atuais militares. Eles não pensam em golpe”, falou. “Falta entender que em um regime democrático, todo mundo tem liberdade de expressão, não é só quem o pessoal acha bacana. O comandante, até pela posição que ocupa, às vezes tem obrigação de se expressar”, continuou.

Sobre o julgamento do habeas corpus, o general afirmou que “o resultado não terá consequência militar e sim para a nação brasileira”.

Entenda

Sem citar diretamente o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula, marcado para esta quarta, no Supremo Tribunal Federal (STF), o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, usou as redes sociais para questionar o comportamento das instituições brasileiras e dizer que o Exército repudia a impunidade e está à disposição da Nação brasileira.

“Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do País e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, questionou o comandante, que tem mais de 112 mil seguidores no Twitter.